Encontre aqui o que deseja

Pesquisa personalizada

quinta-feira, 13 de agosto de 2015

BELA MENSAGEM - APRENDER DE WILLIAN SHAKESPEARE

Aprender
William Shakespeare
Colaboração de José Edison Loturco
Depois de algum tempo, você aprende a diferença, a sutil diferença entre dar a mão e acorrentar uma alma.
E você aprende que amar não significa apoiar-se, e que companhia nem sempre significa segurança.
E começa a aprender que beijos não são contratos e presentes não são promessas.
E começa a aceitar suas derrotas com a cabeça erguida e olhos adiante, com a graça de um adulto e não com a tristeza de uma criança.
E aprende a construir todas as suas estradas no hoje, porque o terreno do amanhã é incerto demais para os planos, e o futuro tem o costume de cair em meio ao vão.
Depois de um tempo, você aprende que o sol queima se ficar exposto por muito tempo.
E aprende que não importa o quanto você se importe, algumas pessoas simplesmente não se importam ...
E aceita que não importa quão boa seja uma pessoa, ela vai feri-lo de vez em quando e você precisa perdoá-la por isso.
Aprende que falar pode aliviar dores emocionais.
Descobre que se levam anos para se construir confiança e apenas segundos para destruí-la, e que você pode fazer coisas em um instante, das quais se arrependerá pelo resto da vida.
Aprende que verdadeiras amizades continuam a crescer mesmo a longas distâncias.
E o que importa não é o que você tem na vida, mas quem você é na vida.
E que bons amigos são a família que nos permitiram escolher.
Aprende que não temos que mudar de amigos, se compreendemos que os amigos mudam, percebe que seu melhor amigo e você podem fazer qualquer coisa, ou nada, e terem bons momentos juntos.
Descobre que as pessoas com quem você mais se importa na vida são tomadas de você muito depressa, por isso sempre devemos deixar as pessoas que amamos com palavras amorosas, pode ser a última vez que as vejamos.
Aprende que as circunstâncias e os ambientes têm influência sobre nós, mas nós somos responsáveis por nós mesmos.
Começa a aprender que não se deve comparar com os outros, mas com o melhor que pode ser.
Descobre que se leva muito tempo para se tornar a pessoa que quer ser, e que o tempo é curto.
Aprende que não importa aonde já chegou, mas onde está indo, mas se você não sabe para onde está indo, qualquer lugar serve.
Aprende que, ou você controla seus atos ou eles o controlarão, e que ser flexível não significa ser fraco ou não ter personalidade, pois não importa quão delicada e frágil seja uma situação, sempre existem dois lados.
Aprende que heróis são pessoas que fizeram o que era necessário fazer, enfrentando as conseqüências.
Aprende que paciência requer muita prática.
Descobre que algumas vezes a pessoa que você espera que o chute quando você cai é uma das poucas que o ajudam a levantar-se.
Aprende que maturidade tem mais a ver com os tipos de experiência que se teve e o que você aprendeu com elas do que com quantos aniversários você celebrou.
Aprende que há mais dos seus pais em você do que você supunha.
Aprende que nunca se deve dizer a uma criança que sonhos são bobagens, poucas coisas são tão humilhantes e seria uma tragédia se ela acreditasse nisso.
Aprende que quando está com raiva tem o direito de estar com raiva, mas isso não te dá o direito de ser cruel.
Descobre que só porque alguém não o ama do jeito que você quer que ame, não significa que esse alguém não o ama com tudo o que pode, pois existem pessoas que nos amam, mas simplesmente não sabem como demonstrar ou viver isso.
Aprende que nem sempre é suficiente ser perdoado por alguém, algumas vezes você tem que aprender a perdoar-se a si mesmo.
Aprende que com a mesma severidade com que julga, você será em algum momento condenado.
Aprende que não importa em quantos pedaços seu coração foi partido, o mundo não pára para que você o conserte.
Aprende que o tempo não é algo que possa voltar para trás. Portanto, plante seu jardim e decore sua alma, ao invés de esperar que alguém lhe traga flores.
E você aprende que realmente pode suportar ... que realmente é forte, e que pode ir muito mais longe depois de pensar que não se pode mais.

E que realmente a vida tem valor e que você tem valor diante da vida! "Nossas dádivas são traidoras e nos fazem perder o bem que poderíamos conquistar, se não fosse o medo de tentar."

domingo, 9 de agosto de 2015

O LIVRE ARBÍTRIO E SUAS RESPONSABILIDADES

Matéria publicada em abril de 2011 que vale a pena ler, ver e ouvir de novo e sempre, sempre e sempre!

Julianna e Alessandra no vocal.

LIVRE ARBÍTRIO

Outra da mesma época, bem importante:
SOBRE ÉTICA


sábado, 8 de agosto de 2015

Um papo aberto sobre a influência das substâncias químicas alucinógenas na vida em sociedade

Queridos amigos leitores,

Hoje os convido a refletir comigo sobre algo tão atual e ao mesmo tempo tão "primitivo", deveras importante no momento de transição evolutiva que a nossa sociedade vive: Os impactos que as substâncias químicas utilizadas meramente com fins alucinógenos ou "causadoras de felicidade" tem na vida das pessoas individualmente e/ou em grupo.

Gosto tanto desse espaço, pois nele eu posso me expressar, embora com responsabilidade, da maneira que eu penso, como eu vejo, da forma que acredito e sabendo que não estou impondo nada a ninguém. Mas saber que minha contribuição, pequena como seja, vai ficar guardada aqui para quem a queira conhecer ou até aproveitá-la de algum modo, já me deixa bem feliz!

O debate se iniciou, mas as fofocas do momento, como: corrupção, crise e guerra política, terrorismos, mortes, etc, sempre acabam dominando a cena e desviam a discussão sobre esse assunto tão importante! E assim famílias e famílias, sabe-se lá em que proporção, vão seguindo sofrendo traumas silenciosos, muitas vezes irreversíveis dentro de seus lares. Quem perde com isso? Mais uma vez a sociedade como um todo!

Eu quero utilizar este espaço para discorrer sobre o tema porque tenho observado, visto e experienciado muita coisa que precisa ser compartilhada e discutida.

Se drogar pra ser feliz, pra fugir da realidade, pra criar mais, pra desinibir, pra trabalhar melhor, pra ser livre, pra protestar política, pra chamar a atenção, pra esconder problemas... São "N" motivos, cada indivíduo com o seu ou os seus. Todos são unânimes em afirmar que é uma escolha e em lutar bravamente por este "direito". A minha dúvida é a seguinte: Escolha ou ilusão? Escolha na minha visão vem de uma análise, onde depois dela, se assumem os ônus e bônus, responsabilizando-se por eles, em todos os sentidos, financeiros inclusive! Quem está pagando a conta da escolha do nosso debate de hoje: fazer uso de substâncias químicas com fins puramente alucinógenos? Em que momento e em que contexto se faz esta escolha? Há condições ou não de se arcar com as consequências que virão desta escolha? Outro questionamento: escolha de quem? Baseada em que valores, em que objetivos? Do indivíduo? Da família? Da sociedade na qual ele está ele inserido. Lembrando que fim medicinal é outra história, não se deve confundir nunca o debate!

Droga pura, natural ou química... Outra polêmica que levanta os mais diversos e mirabolantes argumentos para a liberação do tipo: Se cultivar não tem perigo! Alegação comumente utilizada pelos mentirosos aliciadores. Aliás, muitos não se veem assim por pressupor que as drogas se vendem sozinhas. Só se for pra quem conhece! Lojas de eletrodomésticos também vende fogão, geladeira, televisão, sem precisar propaganda. Quem precisa destes utensílios sabe bem onde encontrar. Mas pra vender mais, muitas utilizam os recursos da propaganda enganosa para atrair clientes. Elas ofertam! Assim como os aliciadores (vendedores). Eu tenho várias dúvidas polêmicas: Cultivar o que? Cogumelos, canabis, papoula? Com que objetivo? Quem vai cultivar? Com que tempo? Quem trabalha vai continuar comprando, porque cultivo exige tempo e atenção. Quem vai fiscalizar as adições para aumentar o volume e viciar mais ou menos? Porque quem vende, SEMPRE quer lucrar e muito? A ANVISA? Isso daria alguma garantia de ser menos maléfica para a saúde? Tenho todas as incertezas do mundo sobre esta questão devido às diversas drogas "licitas" altamente comprometedoras da saúde física e mental, que o mercado oferece livre e legalmente, com indicação "respeitosamente" médica. Definitivamente, na minha visão, nenhum tipo de droga alucinógena será inofensiva, nem com a melhor política do mundo!

Os menores... Ah! Os menores... Os que mais vulneráveis estão aos aliciadores... Pela inexperiência, pelas mil e uma inseguranças causadas pela transição orgânica natural, pelo medo de crescer e das responsabilidades que virão, pela expectativa da família sobre o seu futuro, pelas ilusões e deturpações de valores que a sociedade muitas vezes impõe, por problemas pessoais mal resolvidos de infância, enfim... Quantas razões para uns e desculpas para outros, dependendo da mente, dos valores e do coração de quem avalia. Quem os protegerá? Os órgãos governamentais instituídos pelo ECA? Me pergunto onde estão órgãos de proteção aos menores nas festas adultas das madrugadas, em locais de acesso público, como praças, raves, biers da vida? Muita criança passando mal no dia seguinte! Onde estão os pais? Muitos deles dormindo, seja por displicência, negligência, covardia ou muitas vezes por desistência! Sim! Porque é bem difícil controlar os efeitos que substâncias tão nocivas causam no humor das famílias. Quem consome, contamina a casa toda. Todos adoecem! Fato! Os pais ensinam a usar drogas? Alguns até que sim, mas eu acredito que seja uma pequena minoria! Quem coloca a droga na sociedade para ser ofertada? São os pais? Quem deve cuidar da segurança dos jovens e da sociedade fora das suas casas? É a família? Os jovens precisam iniciar a sua independência fora do ambiente familiar para aprender a fazer suas próprias escolhas.  Acertam mesmo os pais os que se auto-contratam como motoristas dos filhos? Levar e buscar numa festa garante mesmo que um menor ou mesmo um jovem não consuma substâncias alucinógenas altamente viciantes e perigosas, que comprometem o futuro dos indivíduos? O Estado pode se eximir e colocar a culpa apenas na família? Famílias que ficam acordadas tem sucesso na diminuição do consumo de drogas? A família pode proibir um jovem adolescente de sair nas madrugadas? Muitos argumentam para os pais que é contra lei!
Pessoal! A questão é muito séria!!!! O crime organizado treina adultos e jovens com tamanha destreza que vai não somente do uso, mas aos argumentos que eles devem utilizar dentro de suas casas, inclusive utilizando o ECA naquilo que os beneficia. O comportamento, ainda que rebelde de um jovem que não usa nenhum tipo de droga, como álcool, por exemplo, para o que usa, é completamente diferente. Os hábitos de higiene e senso de organização são destruídos, o interesse pelos estudos cada vez diminui até se esvair por completo, as crises de rebeldia são multiplicadas muitas vezes, culminando em agressividade e desrespeito fora dos limites. Quem consegue contê-los? Julgar as famílias é o caminho mais fácil! Mas tentar enxergar a verdadeira raiz e unir forças para destruir algo tão destrutivo numa sociedade, dá muito trabalho. poucos se dispõe de verdade a fazer esse "trabalho sujo". Afinal de contas, são pessoas muito poderosas por trás! O engraçado é que grande parte dos "poderosos" não faz uso de drogas, mas utiliza como algoz o dinheiro e o poder que dela brotam.
As drogas não pagam impostos? Diretamente não! Mas o dinheiro que ela gera sim! O consumo que ela vai gerar depois da arrecadação de uma festa, por exemplo, vai para os cofres públicos, através de compras feitas pelos pequenos ou pelos grandes traficantes! Dentro disso tem também a famosa: "Lavagem de dinheiro! Muuito dinheiro!!!! Essa acontece quando o dinheiro arrecadado pelo crime entra na conta-corrente de uma empresa que forja um faturamento, que não houve, para aquela quantia.
Veja mais aqui: LAVAGEM DE DINHEIRO

As formas e os argumentos para o convencimento, não somente para o uso, mas também a aceitação em massa da própria população, estão cada vez mais audaciosos, cheios de sofismas, porém nunca menos mentirosos e escusos!!!
Vamos letargir a sociedade! Os intelectuais não podem pensar livremente. Isso seria muito perigoso! Diga-lhe que com drogas o pensamento vai fluir melhor! Diga ao artista, que ele terá mais ideias! Diga ao jovem deprimido que a viagem vai tirá-lo da rotina cansativa de sua triste vida e das "neuroses" da família! Diga ao estudante que ele vai ficar com uma memória incrível e vai se surpreender com resultados! Diga que viemos ao mundo para viver somente esta vida e que são as aventuras que se levará dela? Para onde? Só se for para a morte, para a vergonha, para o mau caratismo, para a mentira... Ou para não ser ninguém, além de uma substância cruelmente nociva!

Tem outra linha que ensina ao jovem a "se fazer," para a família. Se fazer de bonzinho, de bom filho, de trabalhador, de estudioso... Trate bem seus corôas (eles é que bancam!) Faça selfies com eles. Sejam inteligentes e assim estarão livres das suas chatas cobranças e poderão usar o que quiserem e "fritarem" à vontade. E lembrem-se: Violência deles contra vocês, nunca! Isto é crime! Mas se vierem para cima, protejam-se! Mostrem quem é que manda!

Aos que não podem pagar pelo uso, não há problema. Você é legal, é inteligente! Eu te ofereço de graça! Por quanto tempo? Até você viciar e eu poder te cobrar o que eu quiser e você vai ter que fazer, inclusive se prostituir, roubar e traficar! Tudo certo, nada errado, afinal, você é menor! Apenas uma pequena troca de favores, porque você é uma pessoal muito especial pra mim!
Que jovem enxergando a realidade, entraria numa furada dessas? O que os faz acreditarem em tantas ilusões? Culpa somente da família? Que cruel e simplista julgamento! Desumano!
Famílias são vulneráveis, não recebem instruções técnicas na escola, NEM OS ALUNOS! Por que o tabú? Preconceito ou estratégia para manter o status quo? Mais uma vez digo que depende da intenção de quem comanda e de quem executa o comando. Por que a escola não pode abordar o assunto? A questão é delicada sim, mas pensar estrategicamente em saídas, é obrigação do estado! É ele quem precisa criar políticas públicas de esclarecimento e combate. Junto à sociedade, com a união da saúde pública, dos profissionais e instituições educacionais, da segurança pública, da famílias...    
Preconceitos:    
Só entram nessa vida os jovens pobres, que são maltratados em casa, que não recebem atenção e orientação, com famílias desestruturadas! Definitivamente esta é uma afirmativa mentirosa e muito, muito cruel!

Eu ainda não consigo entender como um jovem bem orientado e de boa família pode cair num papo sem pé e nem fundamento de um aliciador, mas certamente para se chegar a uma resposta, o pré-conceito não é bom aliado! Como reorientar os jovens que de fato não receberam uma boa orientação sem que para isso se precise odiar e atirar pedras na família que foi negligente? Como reestabelecer um ciclo saudável dentro desta casa que por algum motivo se constituiu desestruturada? O CAPS, o CRAS, o Conselho Tutelar faz são os órgãos de apoio para o assunto. Como cada um age quando um pai ou uma mãe ou um familiar vai procurá-los para receber orientação de como resolver o problema? Eles estão trabalhando em conjunto ou isoladamente? Que opinião a sociedade tem sobre o trabalho destes órgãos acerca da dependência química? Há condições de manter o usuário no seio familiar sem que ele receba um tratamento de desintoxicação e de orientação técnica sobre a escolha que fez, fora do ambiente de brigas e desentendimentos ocasionados naturalmente pelo uso das substâncias? A família teria condições de lidar com o problema apenas com acompanhamento de consultas eletivas? Quando cabe uma internação? Quando há gestões que limitam as possibilidades de tratamentos para famílias de baixa renda que não podem pagar pelo tratamento? Quando Há negligência da família e por que? Quando há negligência dos órgãos, por quais motivos? Tem muita gente que está se mobilizando para diminuir as desigualdades em nossa sociedade. Muitas áreas como: Habitação, educação, saúde, estão envolvidas em busca de solução. As drogas estão completamente inseridas nesse contexto e precisa ser debatida o quanto antes, pela saúde mental da nossa gente!

As drogas alucinógenas ilícitas, as lícitas, as toxinas dos alimentos, da água, do ar e as alterações forçadas do clima, a alienação midiática, são guerras silenciosas, veladas, que se não forem amplamente debatidas, continuarão a destruir toda e qualquer iniciativa positiva para desenvolver e melhorar a vida da nossa sociedade. Muito dinheiro acaba sendo jogado no lixo.

Precisamos de uma sociedade pensante e não letárgica!

S.O.S respeitosa e humana presidenta Dilma Roussef!!!! Este grave assunto está fazendo nossas famílias sofrerem! Este debate precisa entrar na pauta nacional!

Órgãos de auxílio:
CRAS
CAPS
CONSELHO TUTELAR
CONANDA - Participação Social




quinta-feira, 6 de agosto de 2015

AO MEU FILHO THIAGO

E é muito festejo seguido... E num ano, só fases marcantes! Pois é... Hoje marca o início oficial de uma adolescência! E não é que o dia hoje acordou do seu jeitinho, meu filho: Ensolarado!? Será um presente de Deus por seus 14 lindos, queridos, doces e encantadores anos? Esse é o tempo em que sua família foi agraciada com o seu "sorriso de sol", inesquecível e muitas vezes registrado!
O que tenho a escrever pra você é que qualquer um que conquistar a sua amizade, a sua confiança e o seu companheirismo é uma pessoa especial, porque você o é, no sentido mais especial da palavra! A mãezinha guardou um serzinho tão amado no ventre e não sabia que ser humano lindo ele seria. Por isso a única coisa que tenho a pensar e a fazer é agradecer a soberana bondade de Deus, me permitindo receber você de presente, tão valioso, com uma nobre missão: Te cuidar com amor e bem orientar! Espero que eu esteja desempenhando bem a tarefa que Ele me confiou! Que os seus mais belos sonhos que te façam feliz sejam sempre realizados, meu amor!

Thiago é um nome engraçado
Tem jeito de menino levado
Que brinca e se esquece da vida
Que olha pro sol e sorri
E com o céu a se divertir
Cria desenhos nas nuvens da sua imaginação

Lembra um coração carinhoso
Que sempre espirituoso
Leva alegria aonde passa
Deixa no ar a fumaça
Seu rastro de peraltice e graça
Que a todos encanta e conquista

Eu te amo, meu filho querido
Teus irmãos por ti são paixão
Pro papai tú és nova esperança
De uma vida cheia de vida
E de uma alegre imensidão

Deus proteja esta criança
Sua mente e coração
Que tanta alegria nos trouxe 
E nos faz chorar de emoção

Escrevi quando você tinha alguns meses de vida.

terça-feira, 4 de agosto de 2015

AO MEU FILHO MATHEUS

Há alguns anos o dia 04 de agosto me ensina a ser forte e a entender exatamente qual é o papel da família e sobretudo o meu papel: de Mãe! Quando entramos na perigosa e fantástica missão da maternidade, não sabemos nunca o que virá. Por isso é tão estimulante e assustadora! Posso dizer que este dia é para mim motivo de alegria e gratidão daquelas que não se mede! Meu amado primogênito Matheus, aquele que me abriu a oportunidade de estar mais perto de Deus, completa sua integral maioridade social. Digo social, porque a moral ele já conquistou a cada passo de sua rica vida. Não há palavras que possam expressar a vontade que tenho de te abraçar agora! Mas a sua "guerreira combatente" é forte e tinha de ser eu, acho que por isso! Te apoio, te admiro, te entendo e estou aqui serenamente aguardando o próximo momento de ver seus olhinhos brilharem de carinho e sentir esse abraço protetor e gigante que você me dá.

Sempre te observamos
Nós olhamos pra você
Tanto tempo já passou
Há pouco eras um bebê

Foram tantas descobertas
Foram tantas alegrias
E agora está grande
Que orgulho, quem diria?

Com você fomos aprendendo 
E entendendo tanta coisa
Coisas essas que às vezes 
Não paramos pra pensar

E o papai e mamãe
Foram crescendo nesse tempo
E agora nós dizemos
Como foi bom te gerar

Matheus 
Você foi e será sempre o nosso filhão
Temos certeza que serás o nosso grande amigão
Ninguém tira você do nosso coração

Matheus
A sua irmã precisa do seu amor
Do papai e da mamãe
Todo o nosso calor
E juntos somos a família mais feliz!

De repente um belo dia novamente aconteceu
Aquela grande barriga
Sua irmãzinha nasceu!

Te ensinei durante os nove meses de gestação
Que nada nunca mudaria dentro do nosso coração
Apenas um novo amor que acabara de nascer
Deus falou que o nosso sentimento só ia crescer

Matheus 
Você foi e será sempre o nosso filhão
Da Julianna agora, o maior amigão
E juntos somos a família mais feliz!

Música escrita pouco tempo após o nascimento de sua primeira irmã.


Hoje não aprecio juras, porque o Mestre Jesus nos ensinou que nossa palavra deve ser sim, sim e não, não. Mas a música abaixo, de interpretação de Leandro e Leonardo, EU JURO, me lembra você com dois aninhos, quando somente éramos nós dois. Eu chorava e você me abraçava e chorando comigo dizia: Chola não, mamãe!!!! Como esquecer?

Não estarei aqui um dia, mas o meu registro ficará no mundo para a posteridade.


sexta-feira, 31 de julho de 2015

HISTÓRIAS NOSSAS DE CADA DIA

Por Alessandra Luiza em 27/10/2011

A espera dos dentinhos


Lucas brincava feliz no quintal, dava pra ver da janela, e num piscar de olhos, de repente, pra casa entrou.
A mamãe nem ouviu o "oi querida!" que ele sempre dava ao vê-la na cozinha.
Cadê o abraço de saudade, afinal há mais de 10 minutos não se viam e a saudade sempre apertava?
Sentou-se no sofá e distraiu-se com a TV ligada no seu desenho preferido.
A mão à boca ele levou e mamãe logo indagou-lhe se havia lavado as mãozinhas.
Muito quieto ele estava, diferente da agitação, que sempre a tirava do sério.
Porquê as mães percebem tudo?
- Meu filho, o que você tem? Cadê meu abraço querido de tanta saudade?
- Logo ele laça a cintura da mamãe com um macio e apertado abraço!
Mas algo parecia não estar nada bem e como ele não escondia nada dela, foi logo mostrando:
-Olha mãe! - Apontando parar o dentinho da frente.
- Eu estava brincando e de repente bati o meu dente e ele ficou assim, balançando.
A mamãe dá-lhe um abraço bem forte e sente aquele coraçãozinho batendo muito rápido.
- Que maravilha!!!! O seu dentinho de leite está mole!
- Dente de leite? O que é dente de leite, mamãe?
- É o primeiro dente a nascer para formar a sua arcada dentária, meu filho. Esses ainda não são os seus dentes definitivos. Quando esse cair, logo virá outro, bem mais bonito e forte. E eu estou muito feliz que logo verei a janelinha mais linda nesta boquinha. Sabia que a mamãe adora curtir esse momento? É sinal de que você está crescendo depressa. Vamos tirar muitas fotos, para eterniza-lo.
- Isso significa que vou ficar banguela, mamãe?
- Só se for o banguela mais lindo e querido deste mundo!
- E se na escola os meus amigos disserem que estou feio?
- Você vai dizer a eles que a mamãe adora você assim. Pena que passa depressa, porque o novo não demora pra nascer.
E Lucas voltou para o quintal, mas não parou mais de imaginar o momento em que seu dente iria cair.
Poucos dias se passaram e ele levava o seu cãozinho para passear no condomínio. Parou para amarrar seu short e segurou a coleira com a boca. De repente o caõzinho avistou um gato e numa carreira só, puxou a coleira da sua boca com muita força. Só deu tempo de salvar o dente, que caiu bem nas suas mãos.
- Que susto! Nem doeu!
Respondeu o menino Lucas, que voltou correndo pra casa.
-Mamãe, olha a minha surpresa!
E exibe a banguelice tão esperada com o dentinho preso nos dedinhos.
- Obaaaa!!!! Esse é meu. Vou guardá-lo para sempre.
Comemorou a mamãe.
- Como eu esperei este momento! Agora espere. Você precisa fazer um gargarejo de água com sal.
Não dá nem para descrever a carinha dele de tanta satisfação ao ver sua mãe tão feliz com aquele dente, tão pequenino!
A grande novidade é que já havia uma pontinha do novo dentinho aparecendo. Outra alegria daquela, iria demorar um pouco, mas que bom que viria novamente e ainda por mais algumas vezes.




quinta-feira, 30 de julho de 2015

HISTÓRIAS NOSSAS DE CADA DIA



Por Alessandra Luiza

A "ediqueta"!


Numa manhã de verão, como todos os dias, Julianna brincava com seu irmão Matheus no quintal. Mamãe se preparava para sair com eles e os chamou: "Teteu e Juju! Entrem para tomar banho porque vamos passear com o papai!
Os dois correram para dentro e foram logo para o chuveiro. Juju tratou de acabar primeiro, afinal, passear com os dois era raro, porque trabalhavam muito.
Ainda com a toalha enrolada de repente Julianna gritou:
-Mãe! Cadê a minha "ediqueta"?
A mãe logo respondeu:
-Ediqueta? O que é isso?
-A ediqueta mãe! Aquela que eu gosto de colocar. Respondeu ela.
-Pai! Acha a minha "ediqueta" por favor!
-Que ediqueta, minha filha! Eu não sei o que é! Respondeu o pai cheio de dúvidas.
Julianna já estava nervosa, andando pela casa, porque o irmão já estava quase pronto e ela ainda estava enrolada na toalha e não achava a sua "ediqueta" e ninguém parecia entender o que ela dizia.
As roupas estavam todas em cima da cama quando a mãe chegou no quarto. Ela levou um susto!
-Julianna! O que é isso?! Porque você desarrumou tudo assim?
-Porque eu quero a minha ediqueta mãe!
O pai procurava no armário alguma roupa que tivesse uma etiqueta, uma figura ou algo parecido.
Ela ficava mais nervosa ainda:
-Não pai! É "e-di-que-ta"! Aquela que eu visto por cima da blusa.
A mãe já não sabia mais o que fazer para entender o que ela queria dizer quando de repente Julianna diz aliviada:
-Achei! Olha aqui a minha "ediqueta"!
Quando todos olharam, viram que se tratava de uma JAQUETA.
-HAHAHAHAHAHA!!!! Foi uma risada geral.
Ninguém poderia imaginar que era de uma jaqueta que ela se referia.
Julianna vestiu a sua roupa predileta com alegria e satisfação, parecendo que havia acabado de recebê-la de presente naquele instante.
Foi um episódio muito engraçado e mais uma história de família que certamente ficará marcada para sempre em suas lembranças.